Polícia

Matéria publicada em 15/03/12
Assalto a banco
Polícia identifica membro de quadrilha em Suzano
Rolídio Fontinele Gama, o "Monstro", 40, é um dos bandidos mais procurados do Estado
Leandro Dilon
De Suzano
Erick Paiatto
Gama: Polícia está na cola

A Polícia Civil de Suzano identificou um dos integrantes da quadrilha que assaltou o Banco do Brasil, no último dia 16 no centro da cidade, e roubou cerca de R$ 300 mil. Rolídio Brasil Fontinele de Souza Gama, vulgo "Monstro", de 40 anos, é um dos ladrões de banco mais procurados do Estado de São Paulo. Segundo a polícia, ele já participou de pelo menos dez assaltos a agências bancárias.
O acusado foi identificado pelas imagens do sistema de monitoramento de segurança da agência, que flagrou toda a ação criminosa. Nas imagens, Monstro aparece apenas orientando os outros bandidos. De acordo com a polícia, ele é o líder do bando e é quem comanda e planeja os assaltos.

Para o delegado-assistente de Suzano, Alexandre Batalha, a identificação do ladrão é muito importante para a polícia. "Esse homem já tem um mandado de prisão contra ele, então está foragido. O último endereço dele é de Guaianazes. A informação foi incluída no inquérito que apura o assalto ao Banco do Brasil de Suzano e estamos tentando identificar os demais integrantes", comentou.

O DAT teve acesso às imagens do circuito interno do Banco do Brasil. O bando chegou na agência por volta das 16 horas. Três homens ficaram na área onde funciona a Central de Atendimento com caixas eletrônicos, dois abordaram os caixas dentro do banco, enquanto outros dois entraram em salas do prédio. Pelo menos 20 pessoas que estavam dentro do banco, entre funcionários e clientes, foram rendidos.

Em menos de um mês, o Alto Tietê registrou quatro assaltos a bancos. No dia em que o bando invadiu o Banco do Brasil em Suzano, a agência da mesma instituição financeira foi assaltada em Mogi das Cruzes. Poucos dias depois, o banco Itaú em Suzano foi invadido. Anteontem, cerca de cinco homens entraram no banco Santander, em Poá, e roubaram mais de R$ 600 mil de um cofre.

Quem souber o paradeiro do integrante identificado pela Polícia Civil pode fazer uma denúncia anônima pelo disque 180.